Belas praias, artesanato, gastronomia e variedade de produtos ofertados no comércio estão entre os atrativos da cidade. O comércio teve, sempre, ao longo da História, um papel muito relevante na cidade de Cascavel. E o comércio continua a ter um lugar determinante na vida econômica, social e cultural da cidade. Cascavel desenvolve um comércio forte e dinâmico, que conquista os consumidores que moram na cidade, atrai gente de toda a região, em busca de diversidade e bons preços, e emprega uma parcela considerável da sua população. Mercado Público O Mercado Público de Cascavel é conhecido pela variedade de produtos que oferece. O local é formado por um complexo de comercialização que abriga boxes e bancas onde se encontram diversos tipos de produtos regionais, além de frutas, verduras, carnes e peixes e ainda um comércio paralelo que vende roupas, calçados e os mais diversos itens. O Mercado ainda comporta um espaço gastronômico, onde a culinária cearense é representada por pratos típicos como a buchada, o sarrabulho e a panelada, entre outros. Diversos tipos de comidas regionais encontram-se disponíveis logo cedo, no pavilhão que abriga verdadeira praça de alimentação. Um deleite para quem busca um cardápio recheado de sabores.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  Tradicional Feira de São Bento A prosperidade lenta da vida da pequena vila de Cascavel no século XIX teve um rápido impulso no século XX, com a chegada de comerciantes oriundos de varias regiões, atraídos pela feira semanal, que tem sua origem no Sítio Cascavel, quando os primeiros mercadores praticavam o escambo: trocavam sal, goma, rapadura, farinha, caprinos, frutas por produtos de primeira necessidade. Considerada a segunda maior feira livre do Brasil, perdendo apenas para a de Caruaru, em Pernambuco, a feira de Cascavel, que era mais conhecida como Feira de São Bento, é realizada aos sábados e oferece uma imensa variedade de produtos. Tem grande movimento de compra e venda. Apesar disso, se encerra às onze horas, com compradores e vendedores tomando seus destinos.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  Artesanato O artesanato é um forte destaque de Cascavel. Na cidade, mais de 200 pessoas vivem da produção do artesanato de barro. No Sítio Boa Fé, distrito de Moita Redonda, 15 famílias produzem as mais variadas peças de cerâmica em uma técnica passada de pai para filho. As peças são vendidas em todo o Brasil e em países como Itália e Portugal. A família Muniz é uma das mais conhecidas, principalmente depois que passou a incrustar desenhos de renda nas peças. O barro utilizado como matéria-prima provém do rio Choró. O diferencial de qualidade nas peças produzidas em Moita Redonda, segundo contam, é o alisamento com a semente da Mucunã praticado pelos artesãos locais. Um dos frutos do artesanato da comunidade é a Orquestra de Barro, grupo musical formado só com instrumentos feitos do material. Já na comunidade da Bica, a arte é a confecção de móveis e objetos de decoração com o cipó-de-fogo. As peças são produzidas em sua maioria pelos homens, e o destaque na localidade é a família Silva. A atividade nasceu da produção de móveis e caçuás para os próprios moradores, e é hoje procurado por turistas brasileiros e estrangeiros. A produção inclui ainda jarros, objetos natalinos, porta-retratos, potes, luminárias, entre outros. O Polo de Artesanato de Cascavel está localizado no trevo da CE 040.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  SOL E MAR Águas Belas: receptividade e belezas naturais A receptiva praia de Águas Belas localiza-se junto à foz do rio Malcozinhado, que percorre um caminho sinuoso até o mar, formando um bonito contraste entre suas águas azuis e areias brancas. A beleza da foz do Malcozinhado, aliás, é o que batizou Águas Belas. Suas águas são calmas e de agradável temperatura. Águas Belas possui uma boa estrutura turística com a maior concentração de pousadas, hotéis e restaurantes de praia de Cascavel. Perfeita para o turista que deseja ficar bem hospedado e não abre mão de um lugar tranquilo. Você encontrará restaurantes de praia de qualidade e requinte, então aproveite para saborear a culinária local baseada em peixes frescos e frutos do mar. Hospedar-se em Águas Belas é estratégico ainda por ficar entre as praias de Caponga e Barra Nova, servindo como ponto de apoio. A praia possui convênio com a CVC e é visitada por operadoras de turismo como a Girafatur, Enseada, Ocean View, Caminhos do Sol, entre outras, o que garante a presença de visitantes o ano inteiro. Uma das particularidades da praia é o que os moradores chamam de “Banho relaxante”: quando a maré seca levando as águas do rio, piscinas naturais formam-se nas depressões do terreno acidentado. Com a ação do sol forte as águas esquentam e o banhista tem o privilégio de um banho natural de água quente nas piscinas formadas. Estar em Águas Belas é ter a oportunidade de ser bem recebido em um lugar de uma beleza deslumbrante.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  Balbino guarda tesouros e histórias A pequena Balbino era inicialmente recanto de tribos indígenas até começarem a chegar negros fugindo da escravidão. A miscigenação entre as raças é visível ainda hoje entre seus descendentes. O coco-de-roda (uma dança típica do nordeste preservada principalmente no estado de Pernambuco) é ainda hoje praticado pelos moradores, sendo uma das principais manifestações da cultura local tradicional. Em 1986 houve fortes conflitos entre moradores e o ramo imobiliário, o que levou à fundação da Associação dos Moradores do Povoado de Balbino. A área foi transformada em APA – Área de Proteção Ambiental, o que garantiu a preservação da mata nativa e da cultura dos povos locais em seus 245 hectares e 3 mil metros de praia. A principal fonte de trabalho em Balbino é a pesca, mas a comunidade conseguiu transformar seu artesanato em renda para as famílias. Os moradores transformam o coco, matéria-prima abundante na região, em bandejas, pulseiras, molduras, entre muitas outras peças. Outra atividade é a produção de suas rendeiras. Dona Francisca Ferreira Pires produz há mais de 50 anos, sendo inclusive agraciada com o prêmio Tesouros Vivos do Ceará pelo Governo do Estado em 2009. Atualmente, cerca de 180 famílias vivem na localidade. Outro importante evento é sua regata ecológica que acontece anualmente. Vale a pena conferir seu mirante (o Mirante do Balbino) com vista do rio e do mangue e a trilha que leva à Lagoa Seca.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  Barra Nova: vocação para o turismo ecológico Barra Nova, formada no encontro do rio Choró com o mar, cerca de 12 km de Cascavel, tem na forte presença da natureza um dos mais promissores destinos do turismo ecológico no Ceará. A praia conta com poucas barracas oferendo  o melhor do que seus pescadores trazem em suas jangadas do mar. Suas areias brancas são moldadas pelas águas do rio Choró, formando a barra. A cada subida e descida da maré – portanto mais de uma vez ao dia – o rio modifica-se, trazendo um ar de exclusividade à praia. Em cada visita se prepare, pois ao retornar você poderá encontrar uma praia bem diferente. Aproveite as lagoas formadas na maré baixa, propícias a um banho tranquilo. Essa tranquilidade de suas águas é o que faz a praia lotar de famílias todos os domingos e feriados, vindas de Cascavel, Fortaleza e toda a região. Uma forte presença visual são os barcos lagosteiros ancorados em suas águas. Não tem como visitar Barra Nova e não se emocionar com as noites de lua cheia na praia, vendo-a sair de dentro do mar. Os kitesurfistas estão presentes em Barra Nova. E falando na exuberância de sua natureza, uma boa opção são as trilhas ecológicas por manguezais rio adentro, e os passeios de barco pelo rio Choró. Suas imensas falésias guardam histórias de quando a região ainda era palco de disputas entre os portugueses e invasores, como a garganta dos piratas, onde, segundo a lenda, piratas escondiam-se de seus inimigos. O local ainda é um berçário natural de garças, um imperdível espetáculo proporcionado pelas aves em sobrevoos ao entardecer. Em Barra Nova, a beleza de seu mar é só mais um atrativo em meio a uma variedade de opções ecológicas que a natureza proporcionou ao local.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  Caponga: para quem quer sossego sem se isolar da civilização Situada a 14 km de Cascavel, Caponga é um dos mais tradicionais destinos dos fortalezenses aos finais de semana e feriados. Comunidade pesqueira, o ano todo é comum a chegada dos jangadeiros trazendo peixes frescos para a praia, fazendo a alegria de moradores e visitantes. Nos messes de agosto realiza-se o Festival da Sardinha, principal evento da localidade. Caponga representa o principal núcleo de pesca do município de Cascavel. Localizada em uma pequena enseada, tem como cenário um coqueiral que contorna os espelhos d’água e um mar bastante calmo com arrecifes. Uma das principais atrações é a Barra da Caponga, formada pelo fluxo da maré. Apresenta dunas e tem um cajueiro que apresenta a mesma anomalia do famoso Cajueiro de Pirangi do Norte, no Rio Grande do Norte. Encanta pela beleza e pela natureza das suas locações. A proximidade de Fortaleza faz de Caponga uma boa opção para quem quer um pouco mais de sossego sem, contudo, se isolar da civilização.
{"autoplay":"true","autoplay_speed":3000,"speed":300,"arrows":"true","dots":"true"}
  Aventura e emoção nas dunas de Barra Velha Beleza tem de sobra, banhos deliciosos de mar ou no rio os visitantes tem certeza que sempre encontrarão nas praias de Cascavel. Mas os apreciadores de aventuras e emoções fortes vão se fartar percorrendo as dunas da Barra Velha, que ficam em frente à já famosa praia de Águas Belas, do outro lado do ponto em que o rio Malcozinhado despeja suas águas no Oceano Atlântico. É uma experiência para poucos privilegiados. Devido a questões de propriedade, cercas e porteiras de antigas fazendas existentes no local, o povoado de Barra Velha formou-se longe da praia. E pela dificuldade do acesso, tudo por ali ainda tem o aspecto “natural”, de coisa que não foi tocada pelo ser humano. Foi o pessoal de Águas Belas que inventou o passeio e é de lá que saem os buggys com os turistas/aventureiros. Atravessam o rio numa balsa e partem pela beira da praia, quebrando depois à direita, no rumo das montanhas de areia. Experientes, os filiados à Associação dos Bugueiros conhecem os pontos por onde penetrar nas dunas, mesmo com as mudanças que o vento forte provoca nas formas do areal, que podem se alterar de um dia para o outro. Algumas das “atrações extras” do passeio são o mirante e o “morro dos bugueiros”, de onde se pode avistar de um lado as praias de Beberibe, do outro a vista alcança as praias de Cascavel, e em frente o visual incrível nas diversas tonalidades de verde do mar do Ceará. O pit stop obrigatório, para descansar e refrescar o corpo e a garganta com bebida gelada é o bar do Peninha, no ponto onde algumas casas formam o povoado de Barra Velha. É lá que os buggys se concentram, preparando o retorno também repleto de aventuras.